quinta-feira, 1 de fevereiro de 2007

799

O 799 é precisamente o autocarro que apanho quando não tenho boleia para o trabalho. Parte mesmo em frente a uma espécie de lojinhas junto ao Centro Comercial Colombo. Digo uma espécie de lojinhas, porque não se podem chamar de lojas, porque seria extremamente injusto para as lojas “ a sério” e uma “espécie” também.. porque não se pode dizer que seja uma feira que ali está, porque seria desonesto para os feirantes da feira do Relógio, da Ladra, de Carcavelos e de todas as feiras que há pelo país fora.

Nem sempre se chamou assim, houve efectivamente uma evolução no autocarro amarelinho da Carris, nem que seja uma subida numérica de 199 para 799 e também claro.. uma subida de preço em 10 cêntimos. Vendo bem… estas mudanças têm um custo e é justo que se altere o preço. Certo?

O trajecto… é basicamente o mesmo e o autocarro também! De uma ponta à outra demora sensivelmente meia hora, tendo por principais pontos “ turísticos”: Colégio Militar, Benfica, Buraca, Alfragide e Alfragide Norte.

De manhã quando o apanho tenho sempre a companhia das mesmas caras, nem que passe um mês sem lá por os pés…. Àquela hora, religiosamente àquela hora, lá estão eles: pessoas com nome e vidas desconhecidas, mas com caras tão familiares para mim, como o pai natal é para as crianças.

Enquanto se espera pelo 799, lê-se o jornal gratuito “ Metro”, “Destak” e um agora novo de desporto que como nem sequer toco, nem sequer sei o nome! Estão lá estrategicamente colocados para que qualquer um possa retirá-los.

Também há algumas pessoas que logo pela manhã já estão a todo o gás agarrada ao bichinho ( diga-se telemóvel) que me põem a pensar … quem é que se dá ao trabalho de ás 8 da manhã… ter uma conversa decente, que não digam do outro lado.. pelo menos 5 vezes por minuto “ estou cheia de pressa”.. mas acima de tudo.. se dêem ao trabalho de atender…

Depois há também os velhotes que aproveitam o briol da manhã para ir à farmácia antes que se esgote os comprimidos do stock.

As mães com as crianças, sempre apressadas enquanto lhes impingem o pequeno-almoço que trazem no saquinho de papel da Zara.

Os amigos do cigarro ( embora também o seja… infelizmente! Felizmente não tenho o hábito de fumar logo pela manhã).

Também há os “despatriados”, que são nem mais nem menos aqueles que não costumam ir no autocarro, e perguntam ás pessoas da fila “ vai para Alfragide?” a resposta é quase sempre a mesma.. SIM ( quase em coro). Mas quer ir para Alfragide Norte ou Sul ?( como se fosse assim tão grande ao ponto de terem que a dividir).

Chega o motorista, com a má disposição matinal, de bigode farfalhudo e com a farda de serviço. Todos entram mais ou menos ordeiramente com ar mais ou menos de enterro.E depois de ouvir meia duzia de receitas de aproveitar o bacalhau do jantar, das mezinhas caseiras, do drean fast que é fantástico, do árbitro que é ladrão, e do treinador que não presta e da equipa que é boa ou má consoante os resultados, do apito dourado... da criancinha Esmeralda, das cuscices da vizinha do bairro, e dos amores e dos desamores da Elsa Raposo e afins... e após ter passado por mil e umas terriolas.. com nomes proporcionais à sua beleza...chega-se ao fim do trajecto e então alguém suspira com um “ mais um dia trabalho!” como que uma despedida solidária!

“ Pois é.. mais um dia.! “ ( penso eu). O fim está próximo, salto por fim do autocarro e estou no meu destino! Já passou meia hora… já acordei há duas.. e o dia ainda mal começou!

1 comentário:

Pedrito disse...

tu das-lhe muita na escrita;)