sábado, 24 de outubro de 2009

Caim

Quando vi a polémica do Saramago em torno sobe o seu novo livro Caim só me ocorreu uma coisa ...Gostava de ver o Saramago escrever sobre o Alcorão.
Tenho um pequenino feeling que o senhor nunca escreveria um livro sobre o Islão com expressões do estilo que escreveu em Caim.Jamais ousaria escrever no seu livro expressões como profeta mentiroso, profeta filho da p**** e por aí em diante.Mais ainda, ousaria escrever que o Alcorão era "manual de maus costumes, um catálogo de crueldade e do pior da natureza humana".

Mas é assim, Saramago sabe bem que as suas declarações são a fundo perdido e com resultados directos inconsequentes. Saramago sabe bem que meia dúzia de provocações rascas fará todas as luzes dos holofotes apontadas para si e publicidade gratuita dá sempre jeito.
E claro, o estatuto de Nobel da literatura faz com que tudo o que toque fique transformado em ouro. Porém se no Envangelho Segundo Jesus Cristo resultou, porque não deveria resultar agora? Polémica é o que se quer e a saloice portuguesa agradece!

A mim, mais não me parece do que um recalcamento de alguém zangado e revoltado com a Igreja e que jamais perceberá ou atingirá o conceito de Fé. Obviamente José Saramago escreve o livro com uma ideia pré-concebida de um Deus mau e injusto em que mais não faz do que um aglomerado de "teses" que vão de encontro à sua ideia. Vi uma entrevista em que Saramago considerava-se um radical! Pois bem, talvez para um senhor de 80 anos a ideia de radical seja um pouco diferente da minha, mas o que há de radical no que fez? O que ele fez não é mais do que outros escritores como Dan Brown têm feito para vender livros como pães quentes.

Tenho também um pequeno feeling que se falasse do Alcorão, esta guerra de palavras nem chegaria a ser feita na comunicação social, com frases cada vez mais bombásticas e irascíveis. E sim, deveria ser certamente uma experiência mais "radical".

Esperava-se de um Nobel um livro com um tema inovador, com ideias mais elevadas. O Caim é mais um livro que absorveu as características de um best seller Fnac, do que propriamente um livro com rasgo de genialidade literária.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Os Ídolos

O meu maior sonho em criança era cantar bem! Mas pronto há muitos anos que fui informada que não cantava assim tão bem quanto pensava e que basicamente era mais fácil ir à lua do que algum dia ser cantora e ganhar o festival da canção.

Há uns anos atrás o Festival da Canção era algo muito sério. O país parava completamente para ver o festival e as pessoas vibravam totalmente com isso. Eu lembro-me de cantar vezes sem conta as músicas do festival com as minhas amigas na escola ( " Já fui ao Brasil, Praia e Bissau, Angola, Moçambique..." blá blá blá) e de todos os miúdos e pessoas mais velhas saberem de cor as várias letras dos vários festivais.

Hoje em dia o Festival da Canção está como o concurso da Miss Portugal totalmente fora de moda, com Miss chamadas de Sónias Carinas ou Micaelas Sofias. O Festival morreu talvez a partir do momento em que surgiram mais dois canais televisão portuguesa e se passou a dar importância a outros formatos como o Chuva de Estrelas e por aí por diante.Hoje dia todos os formatos estão praticamente esgotados, porque ouvir cantar bem é uma seca, um cliché completo e por isso, pelo factor surpresa o Ídolos tem o seu mérito.

Cada vez que vejo o ídolos pergunto-me se aquela gente não tem amigos, não tem pais que lhe digam... " tu não sabes cantar puto" porque assim dispensavam este tipo de comentários do júri, que pelos vistos são os únicos a dizer a verdade.

A propósito da sinceridade, isso faz-me lembrar a minha prof. de inglês que tinha um olho para cada lado, fez uma operação para corrigir aquilo há uns mesitos e a filha durante 28 anos jurou a pés juntos que nunca se tinha apercebido! Como não??!! A sinceridade é chata, bem sei, e por isso pais mentem com todos os dentinhos que tem na boca relativamente ás faculdade do rebento até que há um ponto em que a mentira se começa a entranhar no sangue e parece tornar-se como verdade. Não tenho dúvidas que quando aqueles pais dizem " o meu filho vai ser o próximo Ídolo de Portugal" é porque acreditam piamente nisso.

E foi de chorar a rir ver tantos cromos no programa que se sujeitam a ir a ali, estarem horas infinitas na fila à espera de serem chamados e consequentemente ainda terem a possibilidade de abandonar a loucura, virarem as costas e ir para casa comer torradas ... mas não, ficam ali, até à última, à espera da sua vez de serem humilhados. A Sic sabe bem que o que vai dar audiência ao programa não é ver gente a cantar bem, mas antes pelo contrário ver gente a cantar mal e ter tido a lata de ter ido ali, ou então, possivelmente uma virgem de 50 anos, com ar de totó a cantar um clássico dos "Les Miserable".

Numa altura em que tanto se ouviu falar em asfixia democrática, aqui temos a prova como a SIC não compactua com esse alinhamento e jamais irá calar os rouxinóis e não só... por esse Portugal fora.

Quem vai ser o Ídolo? Mas isso interessa??!! Quando acabar os castings, para mim, fechou-se o pano.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

O caso Manuela Moura Guedes ( explicado)



Meus queridos depois de séculos sem escrever, porque a preguiça puxa a preguiça, venho aqui deixar-vos este filme que está genial! E prometo que vem ai postagens em barda a partir de hoje!


beijinhos

terça-feira, 4 de agosto de 2009

sexta-feira, 24 de julho de 2009

The Biggest Loser



E tenho que dizer a verdade...este é o senhor que me prende diariamente à televisão que é nem mais nem menos o treinador do Biggest Loser, que é giro e querido que se farta. Para quem não sabe o Biggest Loser é um programa que está a fazer sucesso um pouco por todo o mundo que basicamente é composto por obesos
( homens e mulheres) que estão no programa 24 horas por dia durante 6 meses para perder peso. Os resultados são impressionantes e eles não só não saem de lá gordos... como saem de lá completamente magros e atléticos sem cirurgias ou tretas ( só exercício físico).

E tenho que dizer que o programa ganha todo o sentido quando um dos professores é aquele... o Bob Harper. O Bob ( o professor) consegue por a mulherada toda a correr, e mesmo quando elas não correm nada é tão fofinho que vai lá dar-lhes consolo. Eu tive o azar de ter tido professores de ginástica feios e estúpidos. Hoje, depois de ter " conhecido" o Bob penso que a minha turma poderia ter virado uma turma de atletas olímpicas se houvesse um Bob nas nossas vidas. Ninguém teria deixado de ter ido às aulas de educação física porque estava com o período ou com dores fortes no dedo mindinho.

E é por ele eu vejo obesos a correr e a suar durante uma hora e os meus olhos vibram de orgulho. E é por ele que acabo de ver o programa com uma vontade enorme de correr a maratona e sim... sinto uma pinga de inveja pelas concorrentes obesas.
Pelo Bob eu corria todos os dias 3 horas numa passadeira até sangrar dos pés com um sorriso nos lábios.

E por ele andei a ver na HMV ( e a arrastar o maridão) se encontrava um DVD de ginástica para o ter todos os dias como meu professor. E... vou chorar mas não o tenho ainda... pelo menos até o encontrar.

sábado, 11 de julho de 2009

Lua de mel

Não resisti vir dar um pulinho à caixa de mensagens. Espero que estejam tão bem quanto eu, prometo escrever (quase) tudinho quando voltar ao British Summer (chuva miudinha e 18º). Obrigada pelos comments. Beijocas, já volto.

segunda-feira, 8 de junho de 2009

O casamento

Meus queridos muito obrigada por todos os comentários! Eu agradeço imenso porque adoro ter o feedback dos meus leitores.
Eu sei que os post também não têm sido abundantes, por vários motivos... o maior deles é que daqui a menos de um mês é o meu casamento religioso.
Então e perguntam vocês? Mas a Rabodesaia não é casada?? Sim é, mas agora é o casamento na Igreja com a família e amigos presentes: Espero que seja uma festa super animada e cheia de sorrisos!
Bem, poderia durantes estes vários meses ter referido a problemática do vestido de noiva,do penteado, da maquilhagem, dos detalhes da quinta,do padre, dos missais, da escolha da comida, da decoração, da lua de mel...mas quer dizer desbocada como só eu sou.... em três tempos toda a gente que vai ao casamento e lê o blog ficaria a descobrir todos os detalhes da boda.
Sim... era chato... e o blog é público!

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Os Ingleses e a vida animal

Dizem que os ingleses são frios, que são incapazes de exprimir os sentimentos, mas eu tenho que reconhecer que não é verdade. Quando se trata do amor pelos animais, nenhum povo gosta tanto como eles, acreditem em mim.

O animalzinho seja o cão, o gato, a tartaruga ao patinho todos são tratados não como família, mas digamos... um pouco melhor.
O animal tem a sorte de não comer batatas fritas com salsichas todo o dia ou sandes com maionese... o que já por si, está em vantagem com a família inteira. Quando se trata de nutricionismo e de comida saudável isso está restrito a só uma parte da família: os animaizinhos. Os animaizinhos tem uma sessão de comida maior do que a comida de bebé no supermercado, os animaizinhos têm “ comida baixa em gordura” , com vitaminas A, B; C; D e mais o alfabeto inteiro.... tem direito a veterinário todos os meses, a brinquedos especiais para fomentar o “ crescimento”, biscoitos com proteínas... etc...

Sem dúvida que os ingleses são altruístas na medida que dar restos de comida aos animaizinhos ... nem pensar então e as vitaminas a, b, c, d?? Mas comerem fritos e darem a comer aos filhos carradas de gorduras por refeição é normal...
Palavras doces e amostras de afecto está também restrito ao animaizinhos... ( ou pronto à restante família... em noite de sábado ... depois de 2 pints de cerveja) por isso digo ser animal de estimação em Inglaterra é ter a vidinha feita!
Os ingleses adoram animais. Quando digam adoram é mesmo verdade porque e bem mais fácil um inglês ir preso por maus tratos a animais do que maus tratos aos filhos.Ter animais é um carimbo de boa pessoa.” O que?? É um assassino? Mas como se tem dois adoráveis cães!”

Quando vamos aos supermercados é comum estar um grande cesto onde as pessoas colocam a comida para animais ( o cesto está lá todos os dias) e sempre que lá passo o cesto tem comida. Esta campanha é tipo o “ Banco Alimentar” para os animais com a diferença que dura o ano inteiro.

Eu acho bem este tipo de atitude, este amor tão grande pelos animais.... estranho é não ver por exemplo o mesmo cesto para pessoas mais carenciadas.

Já agora, vi este anúncio na porta de uma loja aqui em Inglaterra e claro decidi publicar para ajudar a encontrar o Sidney!.

Se o alguém viu ( e não fez dele um maravilhoso arroz de pato ), ligue para o número 0776817648. É amigável, tem uma pata defeituosa e responde pelo nome Sidney!!

Vá Sidney... volta!! Os teus donos sentem a tua falta.

sábado, 23 de maio de 2009

A surpresa revelada



E então estou aqui. E segue-se Bruges, Gent, Antuérpia e Roterdão. Iupiiiiiiiiiiii. Fungo do dariz, dói-me o dente mas estou feliz :)

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Trago na mala a Primavera



E quando andei sei saber durante este tempo todo que segunda vai ser feriado aqui.... e ele me manda uma mensagem com isto...

"Prepara a mala para 6ª sexta.Regressamos a casa na segunda à hora de jantar... a temperatura onde vamos está com máximas de 24 e mínimas de 11 e só te digo para onde vamos quando entrares no carro na sexta!"

Eu bem que implorei para saber mais detalhes... mas nadinha!
Bem, faltam-me menos de 4 horas para descobrir!


( fotografia retirada de " http://olhares.aeiou.pt/mala.htm" (Fernando Figueiredo)

quarta-feira, 20 de maio de 2009

A Professora de Espinho

Eu nunca tive professoras que falassem à “ broeira” como a professora de espinho e que tornassem as aulas interessantes ao falar de cuecas molhadas, orgias , linguados e virgindade.

Mas não me chocou nadinha a conversa baseada nos estudos dos pais porque desde sempre que me lembro foi assim. A minha turma do secundário era uma turma de filhos de doutores e engenheiros e todos sabíamos isso. Lá na escola os professores chamavam aquilo a turma de “elite”. Achei graça a professora ter gabado os inúmeros anos em que esteve a estudar para depois dizer " amiguíssimos" mandado um claro pontapé no português.

Na minha altura, os professores eram igualmente maus como a “ senhora doutora” de espinho com a particularidade que ao invés de falarem de sexo , falavam das viagem à Grécia que tinham feito e durante aulas a fio mostravam albúns de viagens, punham
“ rolo de carne” como texto para analisarmos no teste de avaliação, diziam nas entrelinhas que se tínhamos dúvidas era melhor arranjarmos um explicador, ou então diziam de caras que odiavam dar aulas. Não eram casos isolados... em vários professores que tive haviam poucos que se limitassem a dar matéria ( bem).

Lamento também que ninguém tivesse telemóvel até ao 11º ano, muito menos telemóveis com câmaras e outras coisas sofisticadas e claro não existisse o youtube ou a TVI ( pelo menos como a conhecemos hoje) para divulgar essa pérolas, porque contando era difícil de acreditar.

Muitos deles vinham para as aulas despejar as frustrações que traziam de casa.Ali mandavam e dominavam. Ali tinham o poder de chumbar e de passar, de convidar a sair da sala e de mandar a entrar, de fechar os olhos quando alguém copiava ou de arrancar as cábulas da mão a um desgraçado. O professor era um pequeno Deus na sua sala, ninguém exterior o “ controlava”.

Na altura, um professor fazia o que queria e nós alunos não fazíamos nada com medo ter a “ ficha feita”. Por vários motivos, o meu respeito pelos professores é quase nulo, tirando os desgraçados dos estagiários que obviamente só podem ter escolhido a carreira de docente por “ amor”.

De resto eu venho de uma época em que ser professor significava muitas férias, um dia livre por semana, um horário reduzido, explicações por fora e um ordenado bem acima da média.

Provavelmente a senhora professora de espinho era uma pessoa dessas, assim como foram muitas das minhas professoras, que não faziam a mínima ideia do que significava preparar uma aula, motivar alunos, gostar da profissão e estar direccionada para os bons resultados dos alunos. Sentia-se senhora e dona na classe e com ego amanteigado mal punha os pés na sala.

Curiosamente, esta professora seria um caso de sucesso de profissional segundo os parâmetros de progressão na carreira. A esta senhora provavelmente será dito que está em depressão profunda e que provavelmente precisa de uma baixa médica durante 2 aninhos.

Quando os sindicatos vêm com conversas contra a avaliação de professores e aulas assistidas eu percebo o motivo... o medo de alguns destes trastes terem avaliações negativas ou irem para o olho da rua.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Sydney

Sydney é talvez a cidade mais completa que visitei. A mim enche-me as medidas uma cidade a sério com magnificas praias a beijar-lhe os pés. Sydney é assim mesmo uma festa de contraste e de cores, é uma espécie de Nova York tropical.

Gostei do ambiente que a rodeava, da beleza que fui descobrindo em cada canto, do mar e do cheiro a côco do protector solar, das marinas e do cheiro a maresia, das zonas mais típicas como Rocks com som de alegria e movimento, do cheiro a fritos da China Town, ás avenidas mais cosmopolitas a cheirar a carros.

Eu gosto de apreciar cidades e gentes. Por isso lá fui eu feliz e contente a mercados coloridos ( Paddy's) e feiras ver legumes e frutas esquisitas, andei a regatear T-shirts de souvenir nos mercados, comprei maçãs e comia-as pelo caminho. Faz sempre parte das minhas viagens ir aos supermercados cuscar preços, ver o que se come e o que se compra, cuscar nos carrinhos das senhoras do lado. Já agora ver roupa e sapatos em todo o tipo de lojas.

Lá andava eu de mapa na mão ás vezes perdida com o ar de quem não estava, andava uma carteira cheia de tralha, porque me recusava a andar de mochila e de máquina fotográfica ao peito. Odeio o típico turista japonês, que vê uma cidade pela perspectiva de uma máquina digital e perde o prazer de a ver pelos seus próprios olhos...

Ficava séculos a decifrar linhas de autocarro, comprava bilhete e andava em autocarro público com bancos partidos... e depois dava de caras com uma praia linda de morrer digna de postal ( Bondi).

Chegava à praia descalçava os meus ténis suados e ia a correr para a areia senti-la a massajar os pés e deitava-me com a cabeça enterrada na areia de papo para o ar aproveitar os raios de sol. Á minha frente estava um oceano inteiro...umas boas dezenas de gente a fazer surf e eu pensava “ Estou na Austrália pá!!”.

E algumas vezes chegava ao hotel cansada com dor nos pés e no corpo , com as costas tortas, de tanto andar... Ia para o Hotel punha o despertador só 1 hora e dormia 3... perdia o jantar, aquecia a chaleira e fazia uma sopa instantânea ( que tinha comprado no supermercado como que adivinhar que isso pudesse acontecer) porque já não eram horas de servir jantar.

Gostei de andar pé horas seguidas a absorver tudo aquilo que a cidade me dava até que a cidade se entranhasse nos meus sentidos.
Comprava sandes no quiosque da esquina ao almoço e ir a comer pela rua fora, como se tivesse toda a pressa do mundo acompanhando o mar de gente à minha volta. Ou então simplesmente sentava-me num banco a comer uma sandes com a Ópera de Sydney à minha frente e a Harbour Bridge ao lado ( fantástico).

Depois comprei um bilhete ao acaso e apanhei o ferry para Watson Bay simplesmente porque tinha o feeling que ia ser giro! E foi.

A noite jantava sempre no mesmo restaurante no “ Baía” ( um Italiano) em Darling Harbour com o maridão e rebobinava-lhe tudo o que tinha feito durante o dia. No Fim-de-semana mostrei-lhe os melhores sítios ( e descobrimos outros os dois
( Manly)...redescobria outras partes com outros olhos. Vivemos o " Anzac Day" um feriado Australiano em memória dos soldados mortos na 1º e na 2º Guerra Mundial, assistimos aos desfile nas ruas e assistimos à tradição " beber até cair para o lado" desde a avozinhos a malta mais nova.

Em cada canto observei a cidade com um olhar de criança, com aquela incredulidade de estar ali e com a alegria de quem a vê pela primeira vez.

PS: Prometo publicar as melhores fotos!

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Obrigada Apple

Estou neste preciso momento a ver todos os meus mails com a lata toda do mundo na loja da Apple em George Street ( sydney).

Ao meu lado estao a dar formacao a uns velhotes ! Este pessoal comeca cedo! Cheguei aqui antes das 9 da manha e a loja ja estava aberta. Os velhotes, a maior parte com a idade de avos, estao ali atentamente a ouvir o formador da Apple .

Eu devo ser a unica que nem sequer finjo interesse no "MACBOOK 2.0 HHZ intel core Duo 13.3 LED Backlit display" que estou a utilizar ( tenho aqui uma placa com o preco) e estou mesmo aqui a mandar mails e a ver os coments do blog!

Aproveito para vos dizer que esta cidade e fantastica ( com uns toques de NY) e com gente bonita e bronzeada!
Vou aproveitar para uma bela caminhada ( esta agradavel o tempo) de quase uma hora para ver a Opera House, Rocks e ja agora ver uns surfistas Australianos na praia ( ainda nao vi sequer a especie por estes lados).

Bem... nao consigo por acentos... desculpem qualquer coisinha! Desde ja agradeco a Apple por me ter ajudado a poupar uns trocos com net a borla.

Beijinhos a todos !! FUI

domingo, 12 de abril de 2009

quinta-feira, 9 de abril de 2009

A Patuá que é uma querida e ofereceu-me um selo " Roxie".



http://anavitri.blogspot.com

Agora supostamente tenho que escever 5 coisas que são Roxie.

( já agora fiquei 5 segundos a pensar o que é isso de ser Roxie e não cheguei a conclusão nenhuma... mas enfim, mas pensar que ser Roxie é algo " muita fixe " ok?)


Escrever 5 coisas que são Roxie:

- Sobre música: U2,MPB,Rui Veloso

- Televisão e cinema: O Padrinho; Series: Unit, Heroes, Lost, Jonh Adams

- Três países que sonha em conhecer: Austrália, Africa do Sul, Tailândia

- Três cores favoritas: Preto,branco, rosa

- Três hobbies: escrever, ler e namorar

- Indicar 10 blogues que ache Roxie:

: todos os blogs que sigo e à minha vizinhança ( se faz favor venham cá buscar os selo, sim?).

Spicy peri peri chicken


Desengane-se quem pensa que o maior embaixador de Portugal no estrangeiro é bacalhau! Essa é uma das grandes mentiras que por ai se conta com todos os dentinhos que se tem na boca.

Bacalhau seco? Sim.. é conhecido nas cantilenas da graxa dos guias turisticos “ bacaláu, cristiano ronaldo, figo!” assim que alguém abre a boca e se diz que se é português.

Agora naqueles que se auto-intitulam restaurantes típicos portugueses e aqueles que tenham algum sucesso no meio da estrangeirada ( e não na comunidade Portuguesa) não confeccionam bacalhau com grão, assada ou o que o valha.
Acreditem que os restaurantes Portugueses um pouco por todo o mundo, apresentam como menu Português “ frango assado com piri-piri” ( servido com batatas fritas.. pois claro!)

A única cadeia portuguesa com sucesso aqui em Inglaterra é o “ Nando´s” (http://www.nandos.co.uk) Um restaurante com uma decoração simples mas moderna que mistura ao mesmo tempo símbolos tão Portugueses como o Galo de Barcelos e que apresenta no seu menu “ frango assado com piri-piri” .

O mais estranho é que abriu há uns anos um em Portugal e passado pouco tempo fechou... Agora aqui em Inglaterra é um sucesso de fazer filas
Deve chegar quase à centena o numero de restaurantes Nando´s em Inglaterra e no mundo ( há até no Qatar!!) Inclusivé em Manchester fecha uma noite por semana para os jogadores!

A verdade é que alguém com mais olho do que eu e que a maioria de todos nós, lá descobriu a “ receita de sucesso” a que possa chamar de comida portuguesa e ao mesmo tempo que ninguém o possa chamar de caras “ aldrabão”. Pois bem, o frango assado com piri-piri é tão típico em Portugal como as sandes com fiambre. Quer dizer toda a gente come sandes com fiambre em Portugal , mas poderá ser chamado de típico?

Há uns tempos vi um programa que era o “ Contacto Austrália” em que dois dos restaurantes de emigrantes portugueses que abriram em Sidney era precisamente de “ franguinho assado”.
A fórmula parece estar a resultar...

Não acredito que o frango assado com piri-piri esteja na nossa bíblia da culinária portuguesa( o Pantagruel) contudo devo dizer que estamos a um passinho que esta fama do frango assado seja eternamente colada em nós.

Se um dia quando forem de férias... disserem “ Portugueses!!!??... Cristiano Ronaldo.... Spicy peri peri chicken” já sabem o motivo.

Pelos vistos, somos grandes adeptos de frango assado com Piri-piri... só que só nós é que não sabíamos. Vejam só as coisas que se vão aprendendo...

sábado, 4 de abril de 2009

O filho bastardo

Há nos ingleses uma grande crença na sua superioridade. Os ingleses têm essa crença camuflada.Não é algo que seja bonitinho de se ouvir, não é politicamente correcto .Se eles são os Sirs por inerência...todos os outros são obviamente grandes pacóvios.

Em relação aos Estados Unidos da América há uma relação inveja /ódio não declarada. Os americanos guardam em si o orgulho de nunca terem deixado os ingleses terem posto a pata em cima e serem filhos de uma rebelião conta Inglaterra. A verdade é que os EUA nunca foram uma colónia Inglesa como o Canadá, Austrália, Índia. A Revolução Americana aconteceu por causa dessa crença de superioridade inglesa e o facto dos ingleses querem por um “ imposto” sobre os produtos aos Norte-americanos.

Os EUA são como o filho bastardo que subiu a pique na vida e com isso eles não podem nem com molho inglês em cima. Contudo, ou porque não têm outro remédio senão engolir essa batata em seco ou em nome do que se chama “ Diplomacia”, vive-se o cinismo do “ somos todos amigos”.

A célebre “ Boston Tea Party” em que alguns habitantes se mascaram de indíos e despejaram o chá nas águas portuárias, foi o que desencadeou a Guerra da Indepêndencia e foi a primeira chapada que os ingleses receberam em séculos.

Essa mania da superioridade inglesa e de querem fazer de Inglaterra o “ centro do Mundo” ve-se em pequenas coisas, como por exemplo nos telejornais ingleses. Eles fazem questão de ignorar tudo o resto que se passa no mundo porque o mundo é Inglaterra. Assim, os telejornais falam 90% do tempo sobre o que se passa em Inglaterra .Dão se ao luxo de estarem 3 dias a falar de uma tal senhora ( com um cargo a secretária de estado) que pôs nas suas despesas filmes pornográficos do marido, ou do príncipe Harry que chamou “ monhé” a um colega na tropa. Ou então da tal Jade Goody que participou no BB e que morreu vitima de cancro. Os outros assuntos do mundo interessam lá agora?

Os Norte-americanos por seu lado acham também que o centro do mundo se passa lá. A verdade é que se passa lá mesmo. Claro , que com isto tudo é difícil de gerir tantos super Egos.

Na visita do Presidente Obama a Inglaterra (G20) , a Imprensa norte americana não se fez de rogada e apelidou a Inglaterra como “ uma pequena” ilha perto da Europa, Ilha essa com uma dimensão tão pequena que é slightly smaller than Oregon (que mania têm os americanos em comparar qualquer país que se fale com um estado americano – com que estado compararão se se falar da Rússia, do Canadá ou do Brasil?). Estas declarações foram o suficiente para os ingleses se descabelarem.

A segunda picada certeira da Imprensa Norte -Americana foi terem dito que os Americanos se reuniram com os seus grandes “amigos” franceses, os mesmos que ajudaram a dar uma tareia aos ingleses e enviaram para ajudar a Revolução Americana dinheiro , soldados em barda e o general Lafayette.

Podem-se comparar as atitudes dos Ingleses e dos Americanos com o chá e o café : os primeiros são naturalmente polidos e indirectos e os seus “irmãos” do outro lado do Atlântico, frontais e com falta de chá!

terça-feira, 17 de março de 2009

Voltei já ha uns tempinhos de Portugal.
Trouxe um galo de barcelos do mais bimbo que há e um quilo de bacalhau.
Já estou mesmo emigra não vos parece?

quarta-feira, 4 de março de 2009

Amanhã a esta hora, estou ai!

Desde 29 de Dezembro que não meto os pés em Portugal.
Amanhã vou matar as saudades de casa e da família.
Vou comer comidinha tuga da boa!
Vou dar um big abraço a todos os que amo!
Vou fazer caminhadas pelo Guincho.
Vou à noite de rock com o maridão e jezebelar.
vou também apanhar belas secas na loja do cidadão e tratar de assuntos essenciais.
O tempo é tão pouco e tenho tanta mas tanta coisa para fazer em tão poucos dias.
Estou super ansiosa.

Até amanhã!

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Os primeiros encontros

Há várias teorias sobre os primeiros encontros. Afinal o que querem os homens e o que querem as mulheres? O que espera um homem no final do primeiro encontro e o que espera a mulher?

Em primeiro lugar, há algo que nunca mas nunca se deve esquecer. O homem é por natureza predador. Isso é uma verdade matemática que não vale a pena negar.
Se o homem é predador é um erro a mulher tentar inverter esta natureza humana, porque é certinho que se vai dar mal.

A verdade é que a mulher muitas vezes tem um comportamento castrador no sentido que tenta aniquilar as regras do jogo. Se o homem é predador, façam acreditá-lo que são as presas.
No entanto, como um bom predador o homem gosta de luta. Esta é a premissa inicial. A natureza humana é muito mais mecanicista do que se pensa e tudo se trata de um jogo de equilíbrio.

Um homem no primeiro encontro espera levar uma mulher para a cama. Uma mulher na primeiro encontro ( se gosta dele) tenta conquistar o homem... por vezes acha que o sexo é uma boa maneira para o conseguir. Mas está errada!

Um dos erros frequentes tem a ver com os métodos que se utiliza. As mulheres nos primeiros encontros muitas vezes falam dos ex, falam dos problemas que têm, falam do cão do gato e da vizinha... auto-elogiam-se em excesso ou pelo contrário mostram que não têm qualquer tipo de confiança nelas próprias.
Este tipo de palavras deveria estar completamente proibido e crescerem aftas na boca cada vez que pronunciassem tal coisa

Meninas... o primeiro encontro não é o confissionário... e ningúem esta minimamente interessado em saber que a mãezinha tem hemorróidas, que o canário morreu na semana passada ou que o ex é psicopata. A ideia de um primeiro encontro é levantar levemente o véu e não ser um livro aberto. A ideia é atiçar a vontade do próximo encontro e dos próximos e até de um futuro... Se a ideia " não vende" não passa à frente. O primeiro encontro é a tábua rasa e se a ideia que passa é de uma miúda com problemas e com baixa auto-estima ou pelo contrário super convencida... o que é que se está a espera?

Positivismo é a palavra de ordem. E para saber o que dizer ou o que não dizer é apenas pensar o que gostavamos de falar e tantar mover a conversa nesse sentido...
Claro algo nunca demasiado pessoal ou superficial. Falar de viagens, filmes e séries é um bom exemplo... falar de roupa e de cabelos e dietas é um péssimo exemplo e um carimbo na testa de futilidade. Um homem não é a vossa melhor amiga.

Outro erro frequente é as mulheres tentarem alongar demasiado o primeiro encontro.
Erro muito grave. O primeiro encontro deve ser não muito longo, nem muito comprido. Deve ser no tempo suficiente para suscitar vontade para o próximo.

Isso significa que beijocas e convites para subir até nossa casa está completamente fora de questão. Se querem que resulte... então minhas queridas, não se esqueçam que ele é o predador...

O último ponto é bombardearem com mensagem logo no final do encontro. Se estão interessadas... e querem algo mais do que uma noite...não mandem mensagens. Se ele mandar primeiro não mandem mensagem logo de seguida. Se não mandar... jamais mandem novamente. Esta é a regra de ouro!

Se ele não mandar mensagem no final do encontro... a verdade é esta não está interessado. E não há desculpas para não haver saldo, para ter deixado o telemóvel no carro... e outras cantilenas. Quando um homem quer, vai atrás, procura, pede o telemóvel emprestado, vai ás três da manhã carregar o telemóvel, faz o pino se for preciso.

Não se enganem... se o homem não mandar mensagem... é porque não está interessado e não é porque mandem mensagem que essa ideia vai mudar... simplesmente vai mostrar desespero... e lá está está a castrar a natureza do homem " predador".

Façam-no esperar. Saber esperar é uma virtude e o predador gosta disso. E gosta de saborear a sua " vitória". Nunca se esqueçam que o que é fácil de ter é fácil de desprezar.
Esta é uma dura verdade.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

O Carnaval Português

Nunca fui grande adepta do carnaval... confesso. Seria certamemente se tivesse nascido no Brasil, no Rio de janeiro ou em Salvador... agora esta febre do Carnaval em Portugal é algo que não me faz sentido algum.

A única coisa que vejo positiva no carnaval é o facto de ser feriado... e no tempo da faculdade significavam férias... o que dava um certo jeito.

Cresci com o trauma de ver autênticas baleias a desfilar no carnaval com temperaturas de 15 graus ( o máximo)e em fio dental. Depois ainda não contentes começaram a ser criadas " Escolas de samba" onde branquelas desengonçados vêm para a rua tocar pandeireta vestidos de roupa brilhante e onde um número inqualificável de pessoas se junta com uma pronúnica novelesca... tipica de gente com recalcamentos por não ter nascido na terra da caipirinha.

A realidade é que Portugal não conjuga com samba.... assim como o frio não se conjuga com meninas de fio dental e mamocas ao léu.

Alguém me explica qual foi a alminha que teve a ideia de transportar o carnaval do Brasil para Portugal? Quem foi a ideia brilhante de meter meninas celulíticas nos carros alegóricos em fio dental a sambar...?

Cresci a ver o Carnaval Português ser quase todo com músicas ridículas brasileiras e com Reis e Rainhas das telenovelas e mais tarde com pseudo famosos do Big Brother.

O que dizer das tradições de mandar balões de água, levar com pistolas de água, bombinhas de mau cheiro, putos a rebentarem as mãos com brincadeiras parvas?

Agradeço o facto de este ano ter sido poupada ( para quem não lê os meus post com atenção... estou em Inglaterra)com homens de barba feita vestidas de gajas e de meias de rede.

Aprecio no entanto o positivismo instantâneo reservado para estes três dias do ano.... bem que precisamos.

Tenho estado ausente

Mas... prometo dar-vos noticias!

beijinhos

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

The Curious case of Benjamin Button



O Filme" The Curious Case of Benjamin Button" é um filme que merece a pena ver pela carga metafórica que o envolve. É um filme que vira o trajecto da vida ao contrário personificado por Benjamin Button.

Um filme que nos faz pensar sobre a vida, a morte, a perda e a solidão, sobre o princípio e sobre o fim das coisas.

Um filme extremamente emotivo e perturbante que me deixou de lagriminha várias vezes ao longo do filme.

( um filme não recomendável seguido de um jantar romântico).

Está bem... façamos de conta

O artigo do JN do Mário Crespo está tão bom que tinha que vir para aqui.
Se ficar retida no aeroporto de Lisboa, já sabem a razão:


"Façamos de conta que nada aconteceu no Freeport. Que não houve invulgaridades no processo de licenciamento e que despachos ministeriais a três dias do fim de um governo são coisa normal. Que não houve tios e primos a falar para sobrinhas e sobrinhos e a referir montantes de milhões (contos, libras, euros?). Façamos de conta que a Universidade que licenciou José Sócrates não está fechada no meio de um caso de polícia com arguidos e tudo.
Façamos de conta que José Sócrates sabe mesmo falar Inglês. Façamos de conta que é de aceitar a tese do professor Freitas do Amaral de que, pelo que sabe, no Freeport está tudo bem e é em termos quid juris irrepreensível. Façamos de conta que aceitamos o mestrado em Gestão com que na mesma entrevista Freitas do Amaral distinguiu o primeiro-ministro e façamos de conta que não é absurdo colocá-lo numa das "melhores posições no Mundo" para enfrentar a crise devido aos prodígios académicos que Freitas do Amaral lhe reconheceu. Façamos de conta que, como o afirma o professor Correia de Campos, tudo isto não passa de uma invenção dos média. Façamos de conta que o "Magalhães" é a sério e que nunca houve alunos/figurantes contratados para encenar acções de propaganda do Governo sobre a educação. Façamos de conta que a OCDE se pronunciou sobre a educação em Portugal considerando-a do melhor que há no Mundo. Façamos de conta que Jorge Coelho nunca disse que "quem se mete com o PS leva". Façamos de conta que Augusto Santos Silva nunca disse que do que gostava mesmo era de "malhar na Direita" (acho que Klaus Barbie disse o mesmo da Esquerda). Façamos de conta que o director do Sol não declarou que teve pressões e ameaças de represálias económicas se publicasse reportagens sobre o Freeport. Façamos de conta que o ministro da Presidência Pedro Silva Pereira não me telefonou a tentar saber por "onde é que eu ia começar" a entrevista que lhe fiz sobre o Freeport e não me voltou a telefonar pouco antes da entrevista a dizer que queria ser tratado por ministro e sem confianças de natureza pessoal. Façamos de conta que Edmundo Pedro não está preocupado com a "falta de liberdade". E Manuel Alegre também. Façamos de conta que não é infinitamente ridículo e perverso comparar o Caso Freeport ao Caso Dreyfus. Façamos de conta que não aconteceu nada com o professor Charrua e que não houve indagações da Polícia antes de manifestações legais de professores. Façamos de conta que é normal a sequência de entrevistas do Ministério Público e são normais e de boa prática democrática as declarações do procurador-geral da República. Façamos de conta que não há SIS. Façamos de conta que o presidente da República não chamou o PGR sobre o Freeport e quando disse que isto era assunto de Estado não queria dizer nada disso. Façamos de conta que esta democracia está a funcionar e votemos. Votemos, já que temos a valsa começada, e o nada há-de acabar-se como todas as coisas. Votemos Chaves, Mugabe, Castro, Eduardo dos Santos, Kabila ou o que quer que seja. Votemos por unanimidade porque de facto não interessa. A continuar assim, é só a fazer de conta que votamos."

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

slumdog millionaire



Um filme com uma história surpreendente, com um argumento brilhante, com actores fantásticos e com uma banda sonora muito boa. Um filme com uma qualidade invulgar e feito de "anónimos" cheios de talento.
Têm mesmo que ir ver... e se não gostarem podem-me encher a caixa de e-mails com insultos!

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

O típico almoço inglês

Dos hábitos mais estranhos que me tenho apercebido é que os ingleses não almoçam.

Nós portugueses temos uma relação próxima com a comida e é rara a ocasião de festas em que não haja comida em farta.
Para nós, a comida é muito mais do que uma necessidade básica, é um prazer.O que seria do Natal sem o bacalhau, o bolo Rei, sonhos e rabanadas? A maioria ( senão todas) das nossas reuniões familiares dá-se à volta da mesa e o mesmo acontece para com nosso grupo de amigos ( “ temos que ir almoçar”, “ temos que combinar jantar”) isso é a maneira portuguesa de dizer que nos temos que encontrar.

Para nós portugueses celebrar é comer, para os ingleses celebrar é beber.

Para os ingleses sentar à mesa e comer um maravilhoso almoço é algo que nunca devem ter feito na vida. Comer uma sandocha ou qualquer coisa parecida e em andamento ou sentados à secretária, parece algo normal. Não comer por e simplesmente também parece normal....
Ainda pensei.. será por forretice? Será que isto não representa a maioria? Pondo essas hipóteses de lado após ter comprovado empiricamente... digo-vos... “ lunch” é algo que não deveria estar contemplado no dicionário ingles, porque não “ existe”.

Ver beber 2 copos de coca cola ou cerveja seguidas à hora do almoço e não comer nadinha é algo que me tira do sério, mas que tenho visto muito boa gente a fazer isso.
Sinceramente, ficava a olhar para eles e a pensar " Então e a comidinha, não há?"
E não havia mesmo.

Isto tudo fica muito mais claro quando me dizem que jantam as 6 da tarde... Pois claro!
Eu antes de vir para aqui pensava seriamente que isso era algo " cultural" , muito inglês, ou então tinha a ver com o facto de anoitecer cedo.
Na minha versão naif achava-os um povo com costumes de velhas... com chá e bolinhos à mistura e xixi-cama à hora do Vitinho.

Hoje percebo que o motivo para jantarem a essa hora tem a ver com o facto de não fazerem uma refeição decente ao almoço ( ou simplesmente suprimirem-no!) e chegarem as 6 e estarem esganados de fome... porque chás e biscotinhos não enchem.a barriga...e gins tónicos à saída do trabalho já agora também não.

Em relação à comida inglesa posso-vos dizer que comi umas coisinhas boas de chorar por mais feito por uma pessoa que conhece como ninguém a comida inglesa ( mas claro não é comida que se faça diariamente em casa).

Mas aquilo que é considerado típico como o Fish and Chips ( e é o que mais se come)... não me lixem, mas isso ou douradinhos com batatas fritas vai dar igual.

Chamarem ao que comem “almoço”? Vá lá, não me ofendam!

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Cai neve



Está a nevar em Inglaterra e o país literalmente fica parado.Parece que a neve neste país é algo de extraordinário, a contar com as reações que tenho visto e com as inúmeras notícas que aparecem no jornal e na televisão.

Isto causa-me algum espanto principalmente por ser um país sempre com temperaturas baixas... o que pressupõe que é ingénuo da parte deles não contarem com neve. Será assim tão absurdo?

Quer dizer... se fosse a nevar em todo o Brasil, isso seria um problema gravíssimo, pois ninguém estaria a contar com isso.

Aqui em inglaterra neva...e acreditem que não é nada por ai além... e o pais fica abananado e fecha os principais serviços ( as escolas estão todas fechadas)!! Isto é totalmente absurdo!

Quando no país a palavra de ordem já passou de recessão para " depressão" parece-me preocupante a quantidade de pessoas que precisou de faltar ou porque as escolas públicas estavam fechadas, ou porque está um bocado de gelo e neve e de manhã está-se bem é na caminha!

Aqui estão 2 graus negativos, na Russia estão para aí - 40 e então?

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Eles e Elas



Caros leitores, estive fora uns dias na ilha de Malta, tenho como sempre alguma coisa a dizer a respeito desse país.
Enquanto nao escrevo o post divirtam-se com este vídeo do YouTube MAGNÍFICO.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

A Promisquidade e a Sonsice



Elas vinham em grupo, vestiam mini saias de pregas com tecido escocês, meias pelo joelho, sapatos altos, camisa atada a ver-se um umbigo. Elas atavam o cabelo com fitinhas fazendo "puxinhos".Elas tinham um chupa chupa numa mão e um copo de vodka na outra.


Elas dançavam alucinadas ao som de qualquer música, esfregavam-se ao chão, à parede, faziam tudo por tudo para chamar a atenção.


Elas provocam, mostravam as mini cuecas por baixo da saia, elas enrolavam-se umas as outras lançando olhares de lolita aos que estavam na pista. Elas davam espectáculo em grupo, vestiam-se de igual, elas estavam na discoteca para o tudo ou nada onde o Nada não era permitido.


Eles olhavam para elas com os olhos já trocados fruto de 10 vodkas em cima. Eles riam-se muito, eles metiam-se com elas apenas em grupo, pois tal como um lobo nunca ataca sozinho.

Elas eram vivaças, muito mais do que era suposto para a idade que tinham. Eles por sua vez eram toinos de todo. Elas tinham a escola toda, eles tinham apenas alcóol a mais.

Não era propriamente o melhor sitio para estar... não não era!

Aquele era o típica discoteca onde os putos se conheçem se uns ao outros ( putos todos maiores de 18 e com a idade média de 20 anos) onde é à discarada apalpões e atiranços. Nós portuguesas ( falo em nós mulheres apenas) não estamos preparadas para tal cenário, onde se ve" moranguitas" vestidas de pegas para sair a noite para cada lado que se olha.

Há um desiquilibrio imenso entre o comportamento durante o dia a noite, isso há.
Não sei se o que pesa mais no prato da balança se a promisquidade se a sonsice.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Mãe Querida

Mãesinha, descobri que ja sou oficialmente emigra, tenho saudades de um bom azeite Galo, atum Bom Petisco, bacalhau seco, bolachas Maria, broa de milho, enchidos e queijo da serra... por favor quando cá vieres vem com o material todo ou terei que te passar falta a vermelho.

Por aqui hoje está bom tempo que é como quem diz 8 graus... suponho que quando chegar a Portugal com 13 já vá para a praia.

Não consegui dedicar-te esta música na rádio local, mas envio-te o filme no youtube ( repara mãesinha como o Tony Carreira já na altura tinha um belo capachinho... ).



Com muito amor,

Da filha


(Ps: Que saudades tenho da Valentina Torres( essa do "santa mãesinhaaaaaa" foi profunda) e do seu porta-chaves .... Onde é que andava o Toy nesta altura??)

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Cristiano....

A todos aqueles que criticaram o teu discurso... manda-os plantar cemelhas...

Foi inteligente da tua parte teres falado apenas 1 minuto.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

The weather's lovely, isn't it?

A Inglaterra é como um adolescente virgem e vermelhusco na fase do armário, daquele tipo que não fala com quase ninguém. O humor inglês é totalmente " non sense" , do estilo à virgem que tenta impressionar as raparigas com piadas secas. O aspecto vermelhusco inglês, posso dizê-lo que é fruto de timidez concentrada!

O inglês típico não é simpático, lá está. Pode ser gentil mas não tem em si o desembaraço e a agilidade de ser genuíno e de falar com quem quer que seja. Eu acho graça essa timidez colectiva e ao mesmo tempo a gentileza deles que chega quase a ser teatral.

Se falar com um inglês do tipo na maior simpatia e dizer que sou a nova vizinha e tal, como é que é viver aqui, o que há para ver ... só se for doida de todo!
O inglês desconfia do acto da simpatia pela simpatia e vai achar no mínimo que estas minhas questões tem uma segunda intenção.... qualquer coisa muito má, como pegar fogo à casa ou raptar os filhos. A simpatia pela simpatia não é uma coisa lógica, porque a simpatia pode requerer reciprocidade ou então outras intenções obscuras. O sentido da simpatia natural e de " jogar conversa fiada" é algo que não está incutido na cultura inglesa.

No outro dia estávamos no carro e em distracção com o GPS mudou para laranja , depois para verde e só quando mudou novamente para Laranja o carro de trás apitou.
Em Portugal... de um " és um filho da puta!" ou " vais levar na tromba" não nos livrávamos.... e claro... à mínima hesitação levava uma buzinadela.... aqui só mesmo quando o sinal mudou... a segunda vez ( e foi uma buzinadela tímida).

Uma conversa socialmente aceite é o tempo ( talvez o futebol... mas tb pode gerar confusão)! Sim, se queremos falar um pouco com ingleses o melhor é falarmos do tempo, de como está frio, da neve, da chuva.Suponho que a conversa não vá ser muito diferente durante um ano inteiro, mas este é certamente um tópico de conversa que ninguém ignora.... claro que o tempo máximo de socialização são 3 minutos e mesmo assim não nos livramos ver o Inglês com rosácea momentânea.

A cuscuvilhice é algo que não existe para os ingleses. Uma das coisas que mais me surpreendeu é que as casas de R/C estão sempre com as cortinas abertas. Isso seria impensável em Portugal porque teriam assistência à janela, mas em Inglaterra isso não é aceitável e ninguém o faz, nem sequer olha lá para dentro ( eu olhei está claro!!).

É mais fácil um inglês conseguir mexer as orelhas do que fazer um bom expresso.Esta é uma mania minha que insiste em pedir expressos fora de casa... e que tem rapidamente que acabar.Em Inglaterra bebe-se chá e pronto e não há melhor maneira de perceber isso cada vez que tento beber café.Aqui bebe-se chá a todas as horas do dias.

Se em Portugal o hábito preferido numero 1 dos Portugueses é dar longos e belos passeios com a família no centro comercial, o inglês tem como hábito preferido acabar o final de tarde num Pub.
Ser Inglês é gostar de álcool. Eu acho que e timidez virginal só é abalada com uns copos de gin a mais... vodka cerveja e rum.... aí sim... um Pub com ingleses todos bebidos pareceria um bar com ingleses em Albufeira. Eu acho que a bem da nação o álcool deveria ser de borla porque para tristezas já basta este tempo.


Aqui em Inglaterra e para o ingleses a qualidade de vida de uma cidade é directamente proporcional à quantidade de Pubs que há. Ou seja... perguntando a um inglês o que acha de uma determinada cidade ele certamente responderá como elemento de medida a qualidade e quantidade de Pubs que contém. Em Portugal, para uma cidade ser considerada boa e " habitável" tem que ter pelo menos 3 shoppings e uma catrefada de hipermercados.

Aqui vemos a prioridade Portuguesa.... que empanturra os Shoppings de fato de treino ao fim-de-semana e a prioridade inglesa que se enfrasca nos bares quando sai do trabalho.
É dificil para mim explicar aos ingleses esta " tradição Portuguesa" da romaria ao Shopping todos os fins-de-semana e ainda por cima de Fato de treino... quando nunca na vida fizeram desporto...
Assim como é dificil que me expliquem porque é que no Algarve se comportam como javardos e aqui nem por isso... parecem uns copinhos de leite alinhados no frigorífico.

Está certo... esta coisa da " cultura e tradição" só resulta entre portas. Para bem da Humanidade acredito que em cada Chalana está um gentleman para descobrir!