quarta-feira, 4 de abril de 2007

A Utopia Feminina


Adoro revistas femininas!E no ínicio do mês vê-se inúmeras revistas destas nas bancas!Eu comprei ontem uma e folheio-a com o sentido crítico mais ou menos apurado. E digo” mais ou menos apurado”, porque a credibilidade que dou a essa revistas é mesma que dava à Ragazza quando tinha 15 anos, isto é, seriam perfeitas se fossem feitas para mulheres “normais”, mas a verdade é que não são.

Verdade seja dita, 80% (eu portanto estou incluída) das mulheres que compram a Cosmopolitan/Vogue, etc.. não seguem os conselhos “ maravilhosos” que lá têm, ou porque não podem, ou pura e simplesmente é impossível. A mulher normal não vai comprar vestidos à Emporio Armani para ir para a praia, ou compram carteiras da Furla para ir ao supermercado, ou sequer têm namorados ou maridos fantásticos, nem casas fantásticas, nem filhos fantásticos, nem empregos fantásticos, nem um salário chorudo, nem todos estes requisitos todos juntos... quem compra não é para se rever nessa vida, mas sonhar com a vida que não tem.

A vida normal é demasiado enfadonha para que se fale nela, e essas revistas femininas perceberam isso. Perceberam que enquanto a maioria das leitoras compra roupa na Zara, tinha muito mais piada colocar dezenas de páginas de roupa de criadores ou de lojas caríssimas com preços “ a consulta”, o que significa que deve ser tão cara, que nem sequer colocam o preço.

Perceberam que era muito fixe darem ideias para uma noite escaldante e técnicas infalíveis para bom sexo, técnicas infalíveis para uma grande produção para sair a noite, técnicas infalíveis para dar a volta ao tal... ao namorado ou ao maridão...receitas afrodisíacas, dietas da lua e blá blá blá, quando na verdade as revistas são mais compradas pelos brindes que dão, do que o teor do que está lá dentro. Na prática lê-se e acaba na mesa da sala com pó. Na prática folheia-se quando não há mais nada para fazer, ou quando momentaneamente se quer vestir a pele de “ femme fatal” num dia que se acorda de cabeça para baixo ou com os pés destapados. Na prática ficam as ideias soltas, mas a vida prática desorganiza-as.

A maioria das mulheres consome-as na fila do supermercado, enquanto pensa na quantidade de roupa da Zara que tem para passar a ferro, do jantar ainda que tem que fazer quando chegar a casa, do namorado/ marido que ressona e está cada vez menos sexy!

E verdade seja dita... se o namorado/ marido aparecer com um ramo de flores assim do nada e se fizer um jantar à luz de velas num dia normalíssimo e depois de anos de vida em comum( tal como as revistas apregoam) , no mínimo pensarão... que só podem estar a fazer isso... porque ou se enrolaram com a sua melhor amiga ou com a colega do trabalho ou com a vizinha do andar de cima que tem menos dez anos. E o jantar romântico ainda dá origem a uma crise conjugal!E se calhar até têm razão... será que o romantismo puro existe? ( isto é... dar a mão sem por a outra atrás das costas a pedir algo em troca?) No limite, há romântismo gratuito?E se existir, será que as mulheres estão prepararas para que isso aconteça?

No fundo essas questões pouco interessam. As revistas femininas são totalmente inofensivas( e eu compro na mesma, quando me apetece!) porque os pressupostos são imaginários e quase irrealistas, as mulheres “Cosmos” não andam por aí a abundar, e os homens “ Men’s Health” também não. Mas Ninguém faz caso disso, ninguém se coloca no mesmo patamar que as "cosmos" girls e por isso não há frustrações. A utopia feminina é alimentada e enquanto existirem mulheres é certo que existirão revistas femininas também!

PS1: Tinha que por este PS senão tenho o meu futuro ameaçado: Eu acredito em jantares românticos ( sem motivo nenhum, com motivo e blá blá blá).Ainda estou na idade de acreditar nisso! Fica dada a dica!! UFA!!

PS2: Novo post só para a semana.

10 comentários:

Ticha disse...

Confesso que raramente compro uma revista dessas, nem sei o nome de todas as que existem no mercado, folheio umas qtas na caixa do supermercado. As que compro é pelos brindes, de vez em qdo dão uns livros de receita fixe e tal...Oh mary estás a destruir o último mito feminino: acreditar que há gajos capazes de fazer um jantar romantico, sem terem encornado a sua respectiva.

Daniela disse...

Mery, é mesmo isso!Compro as revistas para a piada e para me divertir! e enquanto "apregoam" imensas dietas eu tou a le-la a comer um bom chocolate! hehhe

Luís Nogueira disse...

Hoje em dia vivemos numa sociedade do lazer e numa sociedade que apela "ao viver o momento". Assim as revistas "masculas" cheias de gajas boas a apregoar o "sexytime" do Borat em cada pixel da sua imagem, fazem com que muitos tipos pensem em "aproveitar o momento", algo que as mulheres com quem têm uma relação não acham lá grande piada e com razão. No entanto essas mulheres também são invadidas com as constantes publicações, que as incitam a adoptarem estilos de vida surrealistas e a serem as "super boas mulheres no trabalho, na praia, na cama e blá blá blá"... Ou seja, ambos os géneros são afectados por esta pseudo-veritas-modernidade..Não acho que o jantar romantico tenha necessáriamente a haver com o que referes, até porque aqui à uns meses fiz um e mantenho-me como sempre fui desde o primeiro dia, fiel aos meus principios e à minha namorada :) Não digo que não hajam excepções, mas como em tudo na vida, nem tudo o que reluz é ouro.

Anónimo disse...

PELOS VISTOS VAMOS FAZER UMAS CURTAS FÉRIAS!!!!.
APROVEITO PARA DESEJAR A TODOS OS BLOGUISTAS UMA PÁSCOA FELIZ.
E NÃO PERCAM MUITO TEMPO COM A LITERATURA COR-DE-ROSA.É ALIENANTE E FÚTIL.
MADRE TERESA DE CALCUTÁ

daniela disse...

Agora " o anónimo" encarna em personalidades históricas!
Mau prenuncio... LOL

João J. disse...

Não te admires, pois isso também se passa com as revistas mais orientadas para Homens (como diria o outro, com O grande). Nunca vi, (e comprarei assim que apareçam) revistas que tragam na capa ou no interior uma mulher comum (e não a brasa que todos quereriam ter em casa), um carro baratocho tipo Citröen C1 (sem extras) (que qualquer um pode comprar), ou até.. em culinária, uma pratada de feijoada (sem qualquer estética.. mas sempre boa)... Mas não.. hoje em dia as revistas deste género trazem em destaque tudo aquilo que não podemos ter.. e só nos podemos ir deliciando com as imagens que lá trazem.. É a vida...

Rabodesaia disse...

Anónimo excluido, é capaz de haver ai uns blogs onde poderás deixar as tuas " pérolas"!
Aqui no meu blog, há censura quando a a liberdade é confundida com falta de educação!
beijinhos ( vemos-nos por ai)

Margarida disse...

concordo devia levar umas boas palmadas o anonino/a!!!nde ja se viu fazer de madre teresa!! essa ja reencanou noutra alma... talvez na maria....uma sabedora filosofa dos nossos tempos:D

Doninha disse...

Essas revistas aumentaram substancialmente o numero de divorcios em Portugal. Porque infelizmente a maior parte das mulheres não sabe distinguir a ficção da realidade. " Ele está a pingar do nariz, logo andou á chuva e por sua vez foi porque deve ser a outra da loja e não há sitio para estacionar e teve que andar a pé, molhou.se malandrooooooooooo QUEROOOOO O DIVORCIOOOOOOO!!!! É mais ou menos isto lol ;).
Quem ganha com essas revistas :

Os advogados...

Essas sanguessugas da estupidez humana.

Anónimo disse...

fiqueiiiiiii um maximoo na capa!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!**** meri