segunda-feira, 28 de maio de 2007

Há dias assim

Pois é, há dias que me parecem iguais, ridiculamente iguais e que parece que perco a noção do tempo. Em olho para a vida e parece-me bordada de hábitos que se tornam monónotos e de uma só cor. Outros em que me refugio neles e me parecem honestamente confortáveis.

Há dias em que me apetece acordar assim que amanhece e avisto os primeiros raios de sol da minha janela, outros que só me apetece dormir e até a própria iluminação que insiste em ultrapassar as pressianas do meu quarto me deixa em fúria.

Há fases de euforia que abraço com entusaiasmo e fases extremamente pacificas a que me prendo. Há dias que me apetece agitar o dia a dia como um pacote de sumo acabado de comprar e que se imagina com o concentrado todo no fundo, outras que nem isso me apetece.

Eu tenho uma certa aversão à mudança ás vezes e outras vezes que me apetece um acto de rebeldia… Essa… muitas vezes é de surra cautelosa, outras vezes dolorosamente irreflectida, outras vezes é tão saborosa quanto o é um doce numa criança gulosa.

Há dias em que tudo faz sentido, outros dias que nem por isso… há dias em que me apetece perder, outros em que só desejo me encontrar.
Há dias em que um bife poderá ser a melhor das refeições, outros em que só consigo ver peixe à frente… e que penso que me tornaria vegetariana se assim o quisesse…. Mas não o quero, naquele dia…. Talvez no outro!

Há dias em que todas as piadas são felizes, ou assim me parecem! E nesses dias, gramo com toda a calma do mundo a vizinha chata do segundo andar, as filas, perder o metro quando já estou mais do que atrasada, o arroz queimado, a camisa com a nódoa que pus ao almoço e que me passa tudo ao lado.

Depois há aqueles dias em me zango comigo, que faço uma careta ao espelho. Aí faço mil projectos e promessas em papelinhos que nem as próprias paredes confesso, e acordo a pensar que as promessas servem para ser falhadas, outros dias… em que teimo que têm que ser escrupulosamente cumpridas e fico feliz por isso.

Há dias em que adoro o branco, outros que adoro o negro. Há dias que está frio e me apetece sol e calor, outros dias que está calor e só me apetece frio… e outros simplesmente que está tudo excepcionalmente bom independentemente do tempo que esteja à janela.

Há dias em que a hora voa, outra que parece estacionado num parque sombrio. Há dias que gosto mais do sabor doce, outra do salgado...

Há dias assim!

8 comentários:

Ticha disse...

Meryzinha, só não entedi a "vizinha chata", sendo eu de uma tasca vizinha...há dias que não se pode sair de casa!

João J. disse...

Que piada tinha a vida se todos os dias fossem iguais? Uma seca....

Ze_Porvinho disse...

Cara vizinha rabodesaia,

Aproveitando para pegar na deixa da também vizinha ticha, eu acrescentaria que há dias em que, finda a manhã e sendo já tarde, não se pode sair à noite de casa.

E, pelamordeDeus, não me falem em secas, que tenho logo de ir buscar o tintol salvador da pátria...

Hic Hic Hurra

Anónimo disse...

Recomendo-te uma ida ao Psiquiatra.
Se ele estiver ocupado, então é melhor ir ao Veterinário.
O CHAGAS

Rabodesaia disse...

Anónimo... chagas ou lá o que for! você é um caturras! ;)
Quem usa o anonimato é você...é a sua máscara!! Não me venha pregar a normalidade, quando me envia este tipo de comentários... como uma criança que quando faz asneira, esconde a cara!
Não sei que tipo de médico o mandar..mas uma coisa é certa, tenha juízo!

Anónimo disse...

Maria
Pelos vistos ficaste muito zangada comigo.E reagiste como eu esperava.
Assim tenho que concluir que o meu tratamento deu resultado.
É como quando se tem soluços prega-se um susto.
A ti uma pequena e malévola insinuação foi o suficiente para te configurar novamente dentro dos teus parâmetros.
Ainda me devias agradecer!
Mas isso também não está dentro da tua idiosincrasia.
CHAGA

Rabodesaia disse...

Sr anónimo, não faço a minima ideia do que é " idiosincrasia"...
a palavra é pomposa e bonitinha... mas em si... não significa nada!

Deve estar a referir-se: "idiossincrasia"..., mas tb não sou eu que lhe vou dar aulas de português, nem sugerir uma leitura rápida no dicionário.

Mas devo-lhe dizer, que poderia abrir um negócio seu de " vidência", e quem sabe unir-se ao professor bambo... parece-me que tem potencial, ou então presunção em tê-lo!

Não me zango consigo, não me deu um copinho de água para o " susto"... simplesmente divirto-me consigo e vejo-o como uma forma de reconhecimento. Dar-se ao trabalho de me chagar... é uma forma de reconhecimento inequívoco.Obrigada!

Escreva!Você diverte-me. se me apetecer, pode ser que lhe responda.

Anónimo disse...

Escreve sobre aquela anormalidade daquela greve pseudo-geral, por amor de Deus!!!
Proponho desde já um título:

Saudades da Pide! ;)

Um grande beijinho!!!
Ana Rita