segunda-feira, 3 de setembro de 2012

"You must come for dinner"

É corrente dizer-se que os Ingleses são indirectos ou um pouco labirínticos na forma de dizer as coisas. Nós,  portugueses somos mais frontais na forma de comunicar e é mais pão pão queijo queijo. Nós não fazemos cerimónia com as palavras, poderemos ser brutalmente honestos e isso, por estas bandas, não é propriamente uma característica muito positiva. O que é uma qualidade para nós, não o é necessariamente para eles.Esta forma de pensar choca, de uma certa forma, com a nossa maneira de viver e esta tem que ser adaptada à cultura deles para que se possa viver socialmente sem se ser considerado um pequeno boçal.

Pois esse marco cultural leva por vezes a confusões como a que hoje vos trago aqui. “ You must come for dinner” é algo que se ouve recorrentemente quando conhecemos alguém num jantar de amigos e já se tem um nível mínimo de confiança. Estávamos há poucas semanas em Inglaterra quando no final de um jantar de colegas do marido alguém se sai com “ you must come for dinner”. Eu sorri e achei verdadeiramente simpático convidarem-nos para um jantar porque estávamos cá há pouco tempo. E eu respondi qualquer coisa em inglês como “ Ai que simpático, com certeza! Nós levamos uma sobremesa tipicamente Portuguesa”. As semanas passaram-se e o convite NUNCA chegou de facto. Achei estranho. Tinham sido tão simpáticos e disponíveis o que se teria passado? Bem, essa dúvida permaneceu incógnita durante muito tempo, até que em conversa com uma inglesa comentei o que se tinha passado e finalmente fez-se luz. Aprendi que esta frase é uma autêntica casca de banana linguística para estrangeiros. Dizer “You must come for dinner” ( têm que vir jantar a nossa casa) não significa rigorosamamente nada para um Inglês. O que eles querem dizer na verdade é “ isto não é convite, apenas estou a ser educado”, no entanto o que nós entendemos é “em breve vou ser convidada, só falta marcar o dia!”

Soubesse eu isso e teria-me poupado o mau aspecto de ter dito que levava a sobremesa. Dá-me  ataques de riso ao pensar que a tal pessoa pensou quando eu disse “ You must come for dinner” e lhe digo que levávamos uma sobremesa. No míninimo deve ter  achado insólita a minha resposta e naquele momento o cérebro dele deve ter feito um nó. No fundo, nós Portugueses, também temos algumas frases como “ tudo bem?” quando na prática esperamos sempre a mesma resposta, “ sim, tudo bem”.Se alguém um dia disser ao nosso “ então, tudo bem?” qualquer coisa como do tipo,” Por acaso até não. Acabei de me espatifar com um carro emprestado, fui despedido há uma semana e a minha mulher deixou-me e anda agora com um ucraniano”. A nossa reacção óbvia é de espanto, não pelo ucraniano em si ou pelos azares todos, mas por ter respondido ao “ tudo bem?” com algo diferente ao que estaríamos à espera! Os nossos códigos sociais não estão formatados para este tipo de resposta.

Por isso reflectindo, eu até percebo que haja frases de algibeira que se usem socialmente quando na prática queremos dizer outras coisas. Em português há poucas desse género e a nossa língua não está encriptada como a inglesa e cheio desses jogos de sombras. Quando nós portugueses convidamos alguém para jantar, na prática temos intenções disso e o nosso desejo é real! Agora, falar de comidinha a um português e acenar a possibilidade de convívio, quando na prática não significa coisa alguma, isso meus amigos, é um golpe baixo...e isso não se faz!

2 comentários:

Vicius de Vénus disse...

Parabéns minha querida por teres reatado este blog fabuloso !!! beijinhos e continua com o bom trabalho

tata disse...

Amei!!! Imagino a cara da bifa a achar-te um verdadeiro ET!!!